Aracaju diz não à polarização

Mesmo com a presença de pré-candidatos com larga experiência política e considerável densidade eleitoral na disputa, setores teleguiados da imprensa começaram a vender muito cedo e inadvertidamente a falsa ideia de que teríamos uma eleição polarizada entre Edvaldo Nogueira (PDT) e um representante do grupo liderado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania).

Com a escolha de Danielle Garcia para encabeçar o projeto do Cidadania, intensificaram-se os esforços para tornar invisíveis as demais pré-candidaturas, não obstante o preparo e potencial de alguns nomes apresentados e o cenário totalmente atípico em decorrência da inesperada pandemia do coronavírus.

Mas da mesma maneira que não se consegue represar as ondas do oceano com as mãos, assim também não é possível mudar o curso dos acontecimentos quando irrompem fatos e situações imprevistos - aquele ponto fora da curva que pega caciques, estrategistas políticos e adversários presunçosos de calças arriadas.

Na corrida sucessória de 2020, esse ponto fora da curva tem sido exatamente a nossa pré-candidatura à Prefeitura de Aracaju pela Democracia Cristã (DC), até aqui mantida à custa de muita persistência, coragem e compromisso, tanto de nossa parte quanto dos filiados e dirigentes do partido, que não medimos esforços para superar as adversidades e falta de recursos, a fim de competir com estruturas milionárias e o abuso do poder político e econômico.

O maior exemplo disso é que, na última pesquisa Dataform, divulgada no dia 27 de julho, nós aparecemos em 5° lugar, na frente de Rodrigo Valadares (PTB) e Márcio Macêdo (PT). Todavia, dos quatro pré-candidatos que na ocasião apareciam em nossa frente, dois não estão mais na disputa como cabeças de chapa, a saber, Valadares Filho (PSB), que será vice na chapa de Danielle Garcia, e Emília Correa (Patriotas), que tentará a reeleição para a Câmara Municipal de Aracaju.

Esse espólio, por assim dizer, das intenções de voto em Valadares Filho e Emília Correa, deverá ser redistribuído entre os remanescentes, segundo critérios objetivos e subjetivos que indubitavelmente nos favorecem no atual cenário, como baixa rejeição, perfil conservador, alinhamento ideológico com o governo federal, defesa da ética e moral administrativas, além da formação de uma chapa puro-sangue, tendo como vice a missionária Simone Vieira, igualmente de perfil conservador e defensora de valores como Deus, Pátria e Família. 

Significa dizer que, pela lógica, atualmente devemos estar em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, com possibilidades cada vez maiores de atingirmos a segunda ou primeira colocação e irmos para o segundo turno da eleição. Como dizia um antigo compositor baiano: "É impressionante a força que as coisas parecem ter quando elas precisam acontecer".

Delegado Paulo Márcio (DC)
Pré-candidato a Prefeito de Aracaju